Postado em: 22/03/2020 - 16:08 Última atualização: 25/03/2020 - 11:14
...

Quaresma da quarentena

 

POR ROGÉRIO FARAH

Bem vindos sejam ao momento máximo da reflexão, segundo as tradições bíblicas, ou seja, o período da Quaresma, que este ano trouxe consigo a necessidade do isolamento domiciliar por força do Covid-19 (o coronavírus), tentando evitar a todo custo sua transmissão desenfreada em nosso país.

Evidente que é sempre oportuna a prática da reflexão, mas não há como negar que preferimos que seja por opção e não por obrigação.

Mas o que podemos fazer se subitamente nosso chão foi subtraído, rasgado ao meio, levando para o abismo das incertezas as nossas convicções?

Tal qual um filme Hollywoodiano de ação, a terra debaixo dos nossos pés desapareceu e, ao mesmo tempo, fomos chamados à responsabilidade de autores e atores da nossa própria história, da qual muitas vezes nos comportamos como simples espectadores.

Abruptamente, saltamos o fosso que separa a platéia do palco da vida e, atônitos, nos perguntamos: e agora???

Entretando, voltemos nossos pensamentos para o período que estamos vivendo, a Quaresma, para relembrar que o Senhor Jesus, provavelmente, também foi alvo de todo tipo de tentação, quando enfrentou o deserto e seus perigos, como preparação espiritual para levar avante sua missão.

Guardadas as gigantescas proporções, o mesmo é agora exigido de nós, para que vençamos o medo, nos esquivemos das dúvidas e enfrentemos com fé, virtude e coragem esta Quaresma da quarentena, que ora experimentamos de modo forçado, para evitarmos o alastramento incontido da contaminação pelo coronavírus ao nosso redor.

Para tanto, é necessário que cada um cumpra com sua parte, respeitando o isolamento domiciliar e as recomendações das autoridades médicas mundiais.

Não estamos tratando com nenhuma gripezinha, absolutamente!

Ao contrário, trata-se de uma pandemia, de contágio fácil e contaminação muito rápida, sendo que nem as maiores potências mundiais tem condições de oferecer tratamento à altura da necessidade, mesmo com sistemas de saúde público e privada com muito mais investimentos que o S.U.S. brasilieiro, de onde se concluir o tamanho da nossa responsabilidade, atual e futura.

No mais, mantenhamos em alta a nossa própria auto-estima, pois somos maiores que essa crise e a venceremos, com a proteção de Deus e com a brevidade que nossa obediência permitir, diante das recomendações médicas.

Vamos lembrar, mais uma vez, que o mundo é uma grande morada coletiva, onde nenhum interesse político, financeiro ou particular deveria se sobrepor ao bem comum.

Minimizar a gravidade da situação, além de não ajudar em nada, pode até ser perigoso futuramente.

Outrossim, façamos desse momento um bom aprendizado, para que muito breve, com a chegada do renascimento celebrado na Páscoa, ressurja o que há de melhor em nosso povo, mas com o advento da prática diuturna da cidadania, por direito exijamos maior responsabilidade dos gestores das três esfera de governo, principalmente com novos aportes financeiros na saúde pública.

 

 

Mais colunas de Rogério Farah

Ver todas

Tempo agora

Descrição do Tempo
Araxá, MG 19°C
Muitas nuvens

Cotação

Dólar
R$ 5,33
Euro
R$ 5,77