BEM BRASIL
BEM BRASIL
UDIKAR
UDIKAR
Postado em: 15/12/2020 - 07:27 Última atualização: 15/12/2020 - 09:36
...

Sinal de alerta

Anunciados pelo prefeito eleito de Araxá, Robson Magela, os nomes que irão compor o secretariado de seu governo e alguns outros dos gabinetes e autarquias municipais,  dividiu-se a opinião pública.

Enquanto boas surpresas vieram com o anúncio de alguns que possuem, sem dúvida, conhecimento do setor que vão dirigir, a outros escolhidos faltam - pelo que deles se conhece - experiência e interação nas áreas onde irão atuar.

Nas entrevistas que concederam antes das eleições Robson e Mauro afirmaram o propósito de fazer escolhas técnicas para as Secretarias. Informados desse compromisso, alguns segmentos do eleitorado de classe média - produtores, comerciantes, professores e outros segmentos com alto grau de escolaridade - optaram por votar neles na certeza de que a escolha de técnicos traria qualidade ao governo, liberto  da politicagem  do "toma-lá-dá-cá" que, na política brasileira, antecede as negociações para a partilha  de cargos.

Pelos nomes anunciados percebe-se que, nas áreas da administração que demandam atuação  próxima à população, as escolhas priorizaram a experiência ou a técnica, como foi  prometido. É o caso das Secretarias de Obras, Educação, Saúde, Ação Social , Segurança e dos òrgãos Iprema e IPDSA. 

Nas outras áreas, ou por serem restritas aos gabinetes do Executivo ou por não atuarem junto a uma grande faixa da população, a escolha dos nomes ainda não motivou  grande satisfação, nem gerou polêmica. A exceção é  a escolha do secretário de Agricultura, do qual se desconhece a experiência que teria para o cargo, no setor  que   impulsiona a Economia do país através do agronegócio. Para um secretário de Agricultura eficiente não basta hoje, como era antigamente, patrolar  estrada vicinal  e consertar mataburro. É preciso, no mínimo, capacidade de planejamento com equipe competente na elaboração de  projetos  que possam garantir  diálogo com os grandes produtores do município e da região.

Os próximos meses vão definir a atuação do governo cujo plano de ação apontava para uma administração essencialmente populista,  mas que agora, passadas a campanha eleitoral e as urnas, precisa prestigiar também  as classes produtoras, geradoras de emprego e de riqueza para o município.
 

Mais colunas de Regina Porfírio

Ver todas