Postado em: 07/12/2023 - 16:00 Última atualização: 07/12/2023 - 16:30
Por: Alex Sander Xexéu - Portal Imbiara

Calor e chuvas intensas fazem frutas e verduras subirem de preço em Araxá

Chuvas no Sul são um dos fatores importantes diz comerciante do ramo

Levantamento em mercados mineiros revelou um aumento de 84.77% no custo da batata inglesa. Foto: Alex Sander Xexéu

Não é apenas com as altas temperaturas que os preços de frutas, verduras e legumes sofrem reajustes; a chuva também é um dos fatores que provocam mudanças no preço final de alguns desses produtos. Essa é uma afirmação de Pedro Henrique Sales, gerente de um sacolão no Centro da cidade de Araxá.

Em uma pesquisa divulgada pelo site Mercado Mineiro, vários produtos de hortifruti foram comparados com mercados em Minas Gerais. Foram analisados os valores praticados de setembro a novembro deste ano, revelando um aumento de 84.77% no custo da batata inglesa. Outros produtos também registraram alta significativa de preço. O chuchu subiu 83.48%, passando de R$ 2,54 para R$ 4,66. O quilo da cebola branca, que antes custava R$ 4,24, saltou para R$ 6,93, uma elevação de 63%. Já o repolho ficou 58% mais caro, ao sair de R$ 2,44 para R$ 3,86. O quilo do inhame aumentou 24%, e de R$ 4,98 agora pode ser encontrado por R$ 6,18.

As frutas também não ficaram para trás. Confira aquelas que mais subiram de preço: laranja pera rio: 36.61%; banana prata: 28%; abacate: 24%; morango: 21.35% e melancia: 20.78%.

O gerente Pedro explica que as intensas ondas de calor e chuvas fortes prejudicam a chegada de frutas e verduras ao mercado. "O calor excessivo estraga muito as frutas, fazendo-as amadurecer mais rápido e perder mais rapidamente após serem retiradas do campo e colocadas nos ceasas e pontos de venda. Em contrapartida, o que altera muito esses valores e a oferta do produto são as chuvas intensas decorrentes do forte calor, que estragam muitos dos produtos. Tivemos muitas chuvas no Sul, com aquelas inundações. O preço da melancia e do pêssego (uma fruta de Natal) está acima. Além disso, o abacaxi e outras frutas que encontramos no fim do ano estão escassas", disse.

Pedro destacou que, por conta desses fenômenos, a dinâmica de vendas sofre reajustes com uma rotatividade mais alta dos produtos. "Hoje, precisamos comprar menos para ter uma rotatividade maior, pois quanto mais tempo esse produto fica armazenado, mais perda ele vai gerar. Ele vai perder muito aqui, e vamos dispensar. Tentamos armazenar em lugares mais frescos, com água e com refrigeração adequada", explica.

Adélia Maria, em entrevista à nossa reportagem, mencionou que faz compras de hortifruti toda semana e percebe o aumento nos preços. "Todas as semanas que venho, está aumentando os preços, inclusive nas frutas: maçã, morango, melancia, abacaxi e uva estão mais caros. Mesmo com as festas de fim de ano, é preciso comprar, e como fazer? Eu acredito que ainda vai aumentar mais, é complicado", lamenta.