BEM BRASIL
Postado em: 19/02/2021 - 14:35 Última atualização: 22/02/2021 - 10:36
Por: Bruna Isabella Silva – Natália Fernandes/Portal Imbiara

Empresa de armazenamento de grãos é vítima de desvio por funcionários em Araxá

Cinco pessoas estavam envolvidas em desvio descoberto através de auditoria realizada pela empresa

Imagem meramente ilustrativa Foto: Agência Brasil

O delegado da Polícia Civil de Araxá Conrado Costa Silva, em entrevista ao Portal Imbiara, esclareceu a ocorrência de desvio realizado por funcionários da empresa de grãos. A operação foi deflagrada na quinta-feira (20). “A empresa vítima nesse caso procurou pela Polícia Civil, no final do ano passado, e noticiou que, através de auditoria, haviam identificado um desvio que estava ocorrendo dentro da empresa com o envolvimento de prováveis funcionários. A partir daí instauramos uma investigação e começamos a aprofundar, principalmente com os funcionários que trabalhavam no setor. Foram três ou quatro meses de investigação  e conseguimos identificar três funcionários que estavam diretamente envolvidos. A partir daí solicitamos junto ao Judiciário pela prisão desses indivíduos, prisão temporária e onde foi deflagrada a operação. Eles foram ouvidos e realmente confessaram essa prática criminosa”, explicou o delegado.

O desvio acontecia dentro da empresa. “A empresa tem um descarte de grão que eles não utilizam que são realmente doados para serem retirados do local. Os funcionários utilizavam essa facilidade que a empresa dava, entre aspas, e pegavam uns grãos de qualidade e colocavam em backs e completavam a superficie com esse descarte para facilitar a saída desse produto da empresa. Aparentemente esses produtos saiam como se fosse descarte, mas na verdade por baixo dessa superfície que estava ali estavam grãos de qualidade que eles estavam comercializando de forma ilícita, sem a autorização da empresa”, acrescentou Silva.

De acordo com o delegado, os  funcionários da empresa e uma pessoa que adquiria os grãos prestaram depoimentos e foram presos. A Delegacia de Furtos e Roubos investiga o caso. “Foram presos quatro pessoas, três funcionários da empresa e um receptador, que estava adquirindo esses grãos. O receptador foi ouvido e liberado. Já os funcionários permanecem presos dentro da necessidade que a gente entende para investigação.  Eles foram encaminhados para o presídio de Sacramento onde eles estão à disposição da Justiça até o final desse prazo de cinco dias, podendo haver prorrogação por mais cinco dias ou não”, disse Conrado Costa.