BEM BRASIL
BEM BRASIL
UDIKAR
UDIKAR
Postado em: 12/10/2020 - 08:05 Última atualização: 13/10/2020 - 10:53
Por: Natália Souza

Tempo seco aumenta risco de doenças respiratórias

O tempo seco está aí e, com ele, podem surgir doenças respiratórias. Por isso, é importante estar atento aos sintomas e se cuidar. A médica alergista e imunologista Larissa Ribeiro informa os cuidados que às pessoas devem tomar

Tempo seco pode potencializar doenças respiratórias. Foto: Larissa Ribeiro / Arquivo pessoal

A médica alergista e imunologista Larissa Ribeiro, em entrevista ao Portal Imbiara nesta segunda-feira (12), destacou como evitar os efeitos da baixa umidade do ar e os cuidados a serem tomados para não surgir doenças respiratórias mais graves.

“Para evitar os efeitos da baixa umidade do ar é importante nos alimentarmos bem, lavarmos as narinas com soro fisiológico e evitarmos a prática de atividade física nos períodos mais quentes e secos do dia”, disse Larissa Ribeiro.

A médica reforçou que para que haja troca gasosa eficiente nos pulmões, o ar que chega neste órgão precisa estar umidificado e esse trabalho é realizado pelas narinas. “Quanto mais seco o ar que passa nessas narinas, mais o sistema respiratório precisará trabalhar para que esse ar chegue umidificado de forma adequada aos nossos pulmões e a falta de chuva, poluição por queimadas, poluição por carros, poluição por indústrias, fazem com que os poluentes do ar fiquem em suspensão, o que piora a qualidade do ar que respiramos”, explicou.

De acordo com os dados da Organização Mundial da Saúde, a umidade do ar ideal compreende a faixa de 50% e 80%. Entretanto, em algumas épocas do ano, ela tende a cair, inclusive para abaixo de 30%. As regiões do estado mais prejudicadas com as baixas temperaturas do ar são Centro-Oeste e Sudeste. Nos estados dessas regiões há um aumento significativo de buscas por atendimento médico por pessoas alérgicas. Isso pode acontecer porque as mucosas costumam ressecar e inflamar neste período de baixa umidade do ar.

Larissa Ribeiro também alertou que os sinais mais evidentes de que o sistema respiratório está sofrendo com o tempo seco são sangramento do nariz, ardência nos olhos, incômodo na garganta. “Há pacientes que apresentam piora de doenças já existentes, como por exemplo, rinite, asma, infecções respiratórias virais ou bacterianas, pois o sistema respiratório pode estar mais inflamado e trabalhando de forma mais intensa, o que pode ocasionar proliferação de microrganismos e aumentar o risco das infecções”.