BEM BRASIL
BEM BRASIL
UDIKAR
UDIKAR
Postado em: 13/10/2020 - 09:50 Última atualização: 13/10/2020 - 10:11
Por: Jonathan Magalhães - Portal Imbiara

Araxá recebe mais de R$ 700 mil para a cultura local

Foram destinados R$ 744.878,70 através da lei Aldir Blanc

Imagem meramente ilustrativa. Foto: Frepick

De todas as áreas afetadas economicamente, durante a pandemia de coronavírus, a área cultural foi uma das mais prejudicadas, devido ao fato de não poder realizar eventos. Em Araxá, o setor também foi bastante atingido. No dia 29 de julho, foi criada a lei n° 14.017, denomida de Lei Aldir Blanc, com o intuito de promover ações para garantir uma renda emergencial para trabalhadores da cultura e manutenção dos espaços culturais brasileiros durante o período de pandemia do Covid‐19.

A presidente da Fundação Cultural Calmon Barreto, Régia Côrtes, explica como serão destinados os recursos em Araxá. “Existe a possibilidade de recursos e editais a nível estadual, e agora nós vamos disponibilizar editais a nível municipal, para agentes tanto pessoa física, quanto jurídica. O nosso plano de ação vai contemplar 96 projetos, mas isso pode mudar porque vai de acordo com o que as pessoas apresentarem, mas o plano hoje inserido na plataforma Mais Brasil do governo federal é para beneficiar 96 projetos”, explicou Régia Côrtes.

O plano foi cadastrado no começo do mês de outubro, como conta Régia Côrtes. “O nosso plano foi inserido no dia 1° de outubro. Ele já estava pronto, nós aguardamos um pouco a inserção porque o prazo de inserção dos planos dos municípios é até o dia 16 de outubro, e nos estávamos aguardando a regulamentação do estado para entrar com um plano que não fosse na mesma linha do estado, para ampliar mais o números de beneficiados”, detalhou.

Os planos aprovados podem ser pagos até o último dia do ano de 2020. “Assim que o plano for aprovado e a partir de quando o recurso estiver na conta do município, nós temos 60 dias para programar o que vai ser executado. Este recurso pode ser repassado até 31 de dezembro”, ressaltou Côrtes.

 Ouça a presidente da Fundação Cultural Calmon Barreto, Régia Côrtes.